.
 

Tratando a fibromialgia: dor crônica Nossa Senhora do Socorro, Sergipe

Conheça os estudos sobre o uso da coenzima Q10 no tratamento da fibromialgia. O autor comenta sobre o diagnóstico e outros aspectos da doença. "As evidências científicas encontradas nos estudos sobre a Coenzima Q10 demonstram sua eficácia na prevenção e no tratamento da síndrome de fibromialgia", destaca o autor.

Flavia da Luz Antunes
(53) 227-7788
r Doutor Cassiano, 258, sl 401, Centro
Pelotas, Rio Grande do Sul
 
Joaquim Henrique de Sa Rebelo
(113) 965-5597
av Celestino Bourroul,Prof, 551, Limão
São Paulo, São Paulo
 
Asplat Alexandre Senra Cirurgia Plástica Ltda
(313) 292-1050
r Contorno, 7891, Palmares
Belo Horizonte, Minas Gerais
 
Soc Recr Cultural Horizonte
(48) 333-3608
srv Nossa Senhora de Lourdes, Agronomica
Florianópolis, Santa Catarina
 
Ricardo Luís Morales Carlos
(79) 232-1101
r Pedro Paes Azevedo, 504, Salgado Fl
Aracaju, Sergipe
 
Bogari Clube
(242) 242-3003
r Bernardo de Vasconcelos, 205, Cascatinha
Petrópolis, Rio de Janeiro
 
Clube Desportivo Macaé Sports
(222) 762-7587
r São José, 70, Centro
Macaé, Rio de Janeiro
 
Joyce CM Muniz
(213) 332-2159
av Cong Vasconc, 30
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
 
Arinei R Tavares
(92) 361-1411
pc Dezesseis de Julho, 96, Manacapurú
Manacapuru, Amazonas
 
João M José Jr
(54) 313-4564
r Bento Gonçalves, 727, sl 305, Centro
Passo Fundo, Rio Grande do Sul
 

Tratando a fibromialgia: dor crônica

Fornecido por: 



29/09/2009

Síndrome da fibromialgia: dor crônica

Estudos recentes revelam benefícios da Coenzima Q10 no tratamento desta e de várias outras patologias

A síndrome da fibromialgia é caracterizada por dor crônica acompanhada por outros sintomas como fadiga, dor de cabeça, perturbações no sono e depressão. Sua patogênese ainda não é inteiramente conhecida (CORDERO et al., no prelo).

A prevalência dessa síndrome é entre 0,66 e 4,4% da população, afetando mais pessoas entre 35 e 60 anos (CAVALCANTE et al., 2006). Estudo de Helfenstein e Feldman (2002), com a população brasileira, revelou que 99,5% das pessoas com essa síndrome eram do gênero feminino e a média de dor músculo-esquelética foi de 10 anos. Também, aproximadamente 70% dessas pessoas apresentavam parestesias, dificuldades de memória, palpitações, tonturas, sensação de inchaço e dor torácica.   Devido à dificuldade do diagnóstico dessa síndrome, os critérios utilizados são baseados do Colégio Americano de Reumatologia (1990) para classificação da Fibromialgia. Esses critérios foram validados para a população brasileira no estudo de Haun et al. (1999).   Contudo, Martinez (2006) comentou que, embora esses critérios representem um grande avanço para o diagnóstico correto, ainda deixam a desejar. Com isso, vem ocorrendo uma tendência de uma abundância de diagnósticos como falsos positivos para essa síndrome.   Outro aspecto identificado por Helfenstein e Feldman (2002) foi que a falta de diagnóstico adequado, devido ao quadro clínico polimorfo, levou a parte das pessoas com essa síndrome a tratamentos pouco apropriados, piorando a severidade do quadro. Assim, o diagnóstico correto é uma questão fundamental para o tratamento dessa síndrome.   Se o diagnóstico dessa síndrome representa uma questão controversa, o mesmo pode ser referido ao tratamento. Programas de tratamento mostram efeitos em apenas parte das populações estudadas. Por exemplo, no estudo de Torres et al. (no prelo), foi administrado um programa multidisciplinar por 12 meses em 98 pessoas em licença médica do trabalho. O tratamento incluiu: educação sobre a fibromialgia, tratamento farmacológico, terapia cognitivo-comportamental (relaxamento muscular, re-estruturação cognitiva e positividade), terapia física (exercício aeróbio e alongamento, terapia fria e excitação elétrica transcultânea) e terapia ocupacional (treinamento progressivo no desempenho ergonômico e das ativida...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535