.
 

Salto alto causa danos à coluna Itaporanga d'Ajuda SE

O uso contínuo de sapatos com salto alto pode causar lordose lombar entre outros problemas. A fisioterapeuta Patrícia Pezzan destaca os danos físicos causados por esse modelo de calçado. "O uso de qualquer salto alto por muitas horas seguidas, e muitas vezes na semana, pode trazer problemas em qualquer idade", ela diz.

Antônio K Sousa
(89) 465-1439
rdv BR SN, Valença do Piauí
Valenca do Piaui, Piauí
 
Carlito Kempfer
(49) 664-0690
av , 356
Maravilha, Santa Catarina
 
Tania Garcia Vila Franca
(116) 193-7067
r Luis Carlos,Dr, 821, Vila Matilde
São Paulo, São Paulo
 
Borracheiro Itanhangá
(212) 495-8995
etr Itanhangá, 67
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
 
João G Pires
(55) 233-4713
av Mal Idelfonso de Morais, 585, São Sepé
Sao Sepe, Rio Grande do Sul
 
Maria Cristina de Carvalho Tommasco
(243) 323-5945
r Domingos Mariano, 83, sl 1105, Centro
Barra Mansa, Rio de Janeiro
 
Sucila H Leipnitz
(513) 731-1065
av Amarais, 353
Rio Pardo, Rio Grande do Sul
 
Borracharia Frontino
(53) 281-1200
r Frontino Vieira, 465, Fragata
Pelotas, Rio Grande do Sul
 
Borracharia Jóia
(14) 445-2021
r Barão Rio Branco, 479
Bastos, São Paulo
 
Adriana B Barbosa
(123) 931-2846
r N C Oliveira, 428
São José dos Campos, São Paulo
 

Salto alto causa danos à coluna

Fornecido por: 



21/10/2009

O que o uso do salto alto faz no seu corpo

Recente pesquisa investiga as consequências causadas pelo uso contínuo desse modelo de sapato

As mais vaidosas justificam seu uso como um sacrifício pela beleza, já que apesar da dor, ninguém resiste a um belo par de saltos altos. Muitas mulheres dizem que depois de tanto tempo usando, o corpo se acostuma e já não sentem mais dor. Porém o costume é o grande vilão da história.

O uso frequente de sapatos de salto provoca o encurtamento nos músculos da parte de trás da perna, além de danos na coluna (aumentam as chances de se desenvolver quadros de lordose lombar), dores nos joelhos, além de calosidades, joanetes e unhas encravadas, no caso de sapatos de bico fino.

Se esses problemas ocorrem com adultos, imagine em crianças ou adolescentes que usam esse modelo durante um período em que o corpo ainda está moldando a postura. A professora do curso de Fisioterapia da PUC - Minas Gerais, Patrícia Pezzan, analisou 100 jovens entre 13 e 20 anos, 50 usuárias de salto e 50 não. É importante ressaltar que para ser considerada usuária de salto, a mulher deve utilizá-los por mais de três vezes por semana e a mais de 4h consecutivas.

Patrícia concluiu que quanto mais precoce se inicia o uso desse tipo de calçado, maior é a chance do desenvolvimento de sérios problemas na coluna, na rotação do osso da pelve (a garota fica com o bumbum mais empinado), além da aproximação dos joelhos e afastamento dos pés, o que deixa as pernas no formato de um "X".

"O uso de qualquer salto alto por muitas horas seguidas, e muitas vezes na semana, pode trazer problemas em qualquer idade", explica a fisioterapeuta. Porém, quanto mais nova for à menina, mais problemas ela terá no futuro, pois o uso desse tipo de calçado durante a fase de crescimento ósseo pode causar alterações na postura e na marcha. "Essas alterações, a longo prazo, podem gerar dores, desequilíbrio muscular, estresse articular e até degeneração nas articulações", ressalta Patrícia.

Então devemos jogar todas as sandálias e sapatos de salto alto fora? A fisioterapeuta diz que não. "A mulher pode, sim, usar saltos, desde que esses não sejam os seus sapatos do dia a dia. O melhor é intercalar: naqueles dias em que não for andar muito, o salto está liberado, porém, quando o dia for muito agitado, opte por um tênis", sugere.


Autor: Priscila Moreira
Fonte: Viva Saúde


Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535