.
 

Saiba como as lágrimas podem ajudar no convívio social Rio Branco, Acre

"Pesquisa revela que as lágrimas podem reforçar os vínculos sociais e comunicar sentimentos", destaca o autor. Carina Rabelo descreve como o choro pode ajudar a reforçar os vínculos interpessoais. Conforme os resultados da pesquisa, as pessoas que choram são avaliadas positivamente.

Fabiana Pescador
(68) 3223-7915
av Brasil 303 - 7 s 702, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Débora Cristina dos Santos
(68) 3226-1347
r Rio de Janeiro 1124, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Débora Cristina dos Santos
(68) 3226-1347
r Rio de Janeiro 1124, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
DR Deusmar Singui Fl
(68) 224-5644
av Brasil, 303, sl 207 an 2, Base
Rio Branco, Acre
 
Gisela da Costa Mascarenhas
(68) 224-9389
r Grêmio Atlético Sampaio, 67, José Augusto
Rio Branco, Acre
 
Carolina Sátiro Macêdo
(68) 9207-0018
r Copacabana, 148 s 203 Cj Village, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Fabiana Pescador
(68) 3223-7915
av Brasil 303 - 7 s 702, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Carolina Sátiro Macêdo
(68) 9207-0018
r Copacabana, 148 s 203 Cj Village, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
DR Savio Costa Psiquiatra
(68) 223-7207
r Guiomard Santos, 310, Bosque
Rio Branco, Acre
 
Clinorl Clínica de Otorrinolaringologia
(68) 224-0828
av Getulio Vargas, 1729, Centro
Rio Branco, Acre
 
Dados Divulgados por

Saiba como as lágrimas podem ajudar no convívio social

Fornecido por: 



11/11/2009

Quando chorar pega bem

Pesquisa revela que as lágrimas podem reforçar os vínculos sociais e comunicar sentimentos. Mas são proibidas em alguns ambientes

CROCODILO Luiz Lucca já simulou o choro em diversas situações

Quando a garganta trava e os olhos ficam umedecidos, muitos engolem o choro ou enxugam as lágrimas discreta e rapidamente, para evitar a exposição pública. Aprendemos desde cedo que chorar é sinal de fraqueza, imaturidade e despreparo para lidar com a realidade. Mas os efeitos sociais do choro nem sempre são negativos. A pesquisa "Trust in a teardrop" ('Confie numa gota de lágrima'), desenvolvida pela Universidade de Tel Aviv, revela que ele reforça vínculos interpessoais, funciona como um pedido de ajuda e pode amansar um inimigo. "É uma forma de obter a misericórdia do antagonista, conquistar a simpatia dos demais e criar intimidade", diz o psicólogo Oren Hasson, autor do estudo. O assistente judiciário Felipe Bullara, 28 anos, conhecido como 'aquele que chora por tudo', construiu relações sólidas a partir da sensibilidade declarada. É visto como o amigo que se envolve com os problemas dos outros, o filho e irmão atuante na dinâmica familiar e o namorado sensível. "As pessoas se abrem comigo", diz. "Sabem que sou verdadeiro."

A confiança social é construída a partir de uma premissa básica. Quem chora é capaz de elaborar conflitos internos, portanto, é visto como alguém que sabe se colocar no lugar dos demais. "Quando nos projetamos nos conflitos dos outros, nos tornamos mais sensíveis aos dramas humanos e mais confiáveis", afirma a psicóloga Dorli Kamkhagi, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. Mas onde chorar pega mal? Lágrimas no ambiente de trabalho são unanimidade negativa. "Nessa situação, pode parecer manipulador. Sugere que a pessoa está fazendo drama", afirma a consultora de RH Bábara Demange, da D.A Consulting. Diante de pessoas de outras culturas também pode ser mal interpretado.  

OPOSTOS Patricia não consegue verter uma lágrima. Já Felipe chora por qualquer motivo

"Os latinos têm mais facilidade de expressar sentimentos", diz Bárbara. "Já entre os europeus, o choro é familiar, íntimo. Não se emociona na frente de estranhos."

Na cultura brasileira, o choro é mais do que um símbolo social de vínculo e confiança - a falta dele projeta a imagem de frieza e desapego. O ato valida emoções comuns a um grupo e comunica um sentimento co...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535