.
 

Reprodução assistida: Analisando a descoberta dos filhos Corumbá, Mato Grosso do Sul

Conheça as diferentes opiniões sobre o dilema de contar ao filho, que sua gestação foi originada por meio de reprodução assistida. O autor destaca os aspectos emocionais dessa descoberta. Confira os argumentos contras e a favor dessa decisão.

ABRACC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AJUDA Á CRIANÇA COM CÂNCER
4062-0078
Dom Aquino, 03
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Pref Mun Corumba Creche Rosa Josetti
(67) 232-4191
av Perimetral, Dom Bosco
Corumbá, Mato Grosso do Sul
 
Globinho Centro Ensino Pré Escolar E1 Grau Arte L
(67) 351-7937
r Doná Idalina, 288, Monte Castelo
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Recriando Inst de Educação Infantil
(67) 384-3653
r Eduardo Santos Pereira, 939, Monte Castelo
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Escola Feliz Idade
(67) 326-1828
r Alagoas, 308, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Pref Munic Corumba Creche Maria CP Leite
(67) 232-1331
r Oriental
Corumbá, Mato Grosso do Sul
 
Marcos M Trad
(67) 383-3183
r Rio Grande do Sul, 370, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Edmar A Bozelli
(67) 383-4509
av Noroeste, 887, Amambai
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Centro Infantil Disney
(67) 324-9255
r João Pessoa, 68, Monte Castelo
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Valmir C Flores
(67) 384-4075
r Amazonas, 785, Monte Castelo
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 

Reprodução assistida: Analisando a descoberta dos filhos

Fornecido por: 



15/11/2009

Pais sofrem dilema de contar a filhos sobre reprodução assistida

Contar ou não ao filho que ele é fruto de uma doação de esperma, de óvulo ou de embrião ou que sua gestação aconteceu em outra barriga?

Contar ou não ao filho que ele é fruto de uma doação de esperma, de óvulo ou de embrião ou que sua gestação aconteceu em outra barriga? As tecnologias de reprodução assistida têm possibilitado o surgimento de novos perfis de família e levantado questões polêmicas e ainda pouco debatidas no país.

A exemplo do que ocorria no passado com as adoções, muitos casais brasileiros omitem dos filhos a sua origem genética, especialmente quando a gravidez ocorreu com óvulo doado por uma mulher mais jovem ou sêmen obtido em banco de esperma. Já quando a criança foi gerada em outro útero --geralmente de um familiar - a revelação é certa.

Em países como a Inglaterra e a Bélgica, a criança tem o direito legal de saber sobre sua história quando atinge a maioridade. Nos Estados Unidos, jovens que foram gerados com gametas doados têm encontrado seus pais biológicos por meio de grupos na internet.

No Brasil, não há leis a respeito, mas uma resolução do CFM (Conselho Federal de Medicina) prevê que a doação de gametas seja anônima.

Especialistas em infertilidade costumam desencorajar seus pacientes a contar a verdade sob o argumento de que isso trará mais prejuízos do que benefícios à criança. Os psicólogos discordam. Para eles, o segredo pode gerar fantasias infantis ainda piores. E há médicos que lembram que a herança dos genes precisa ser conhecida para prevenir doenças futuras.

Nos EUA, uma coleção de livros infantis, "Hope and Will Have a Baby", se propõe a ajudar os pais a fazer essa revelação de forma lúdica. Cada livrinho conta a história de um menino que descobre a luta e o sucesso dos pais na criação de sua família por quatro caminhos diferentes: doação de óvulos, de esperma ou de embrião ou útero de substituição.

"As crianças têm um inquestionável direito de conhecer suas origens. Manter isso em segredo produz uma atmosfera que elas podem não compreender totalmente, mas sentem, e pode fazer com que os pais "pisem em ovos" ao falar sobre a gestação. Isso é ruim para a criança", disse à Folha Iréné Celcer, psicóloga em Atlanta (EUA) e autora dos livros.

Para ela, os conflitos gerados no passado sobre o segredo em torno da adoção devem...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535