.
 

Psiquiatria Rio Branco, Acre

Encontre psiquiatria em Rio Branco. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Carolina Sátiro Macêdo
(68) 9207-0018
r Copacabana, 148 s 203 Cj Village, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Fabiana Pescador
(68) 3223-7915
av Brasil 303 - 7 s 702, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Carolina Sátiro Macêdo
(68) 9207-0018
r Copacabana, 148 s 203 Cj Village, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
DR Deusmar Singui Fl
(68) 224-5644
av Brasil, 303, sl 207 an 2, Base
Rio Branco, Acre
 
Gisela da Costa Mascarenhas
(68) 224-9389
r Grêmio Atlético Sampaio, 67, José Augusto
Rio Branco, Acre
 
Débora Cristina dos Santos
(68) 3226-1347
r Rio de Janeiro 1124, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Débora Cristina dos Santos
(68) 3226-1347
r Rio de Janeiro 1124, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Fabiana Pescador
(68) 3223-7915
av Brasil 303 - 7 s 702, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
DR Savio Costa Psiquiatra
(68) 223-7207
r Guiomard Santos, 310, Bosque
Rio Branco, Acre
 
Clinorl Clínica de Otorrinolaringologia
(68) 224-0828
av Getulio Vargas, 1729, Centro
Rio Branco, Acre
 
Dados Divulgados por

Psiquiatria

Fornecido por: 

Um novo estudo mostrou que a socialização irregular entre adolescentes de ambos os sexos, relações afetivas violentas e fatores psico-sociais, como solidão, auto-estima e satisfação com a vida são resultados diretos da violência nas escolas. Os resultados mostraram que os jovens associam esse tipo de violência a uma melhora no seu status social e respeito entre seus colegas, por exemplo.

“Há um interesse crescente no estudo do comportamento violento de adolescentes dentro do ambiente escolar. Esse tipo violência pode levar a graves consequências psicológicas e ajustes emocionais desregulados nas pessoas envolvidas nesse tipo de ato”, diz David Ruiz, da Universidade de Pablo de Olavide (UPO), Espannha.

O estudo, publicado recentemente no periódico científico Psicothema, tenta entender como os jovens que procuram por uma “boa reputação”, ou seja, a identidade social que os proporciona fazer parte e serem respeitados por um grupo, fazem uso da violência como ferramenta para atingir esse objetivo.

Estudos anteriores já haviam mostrado que alguns adolescentes que eram populares entre seus pares usavam a “violência interelacional” para manter ou melhorar suas reputações. “Ter uma boa auto-estima é um fator chave, pois isso é importante para inibir os atos violentos – tanto ser vítima quanto algoz – entre os colegas de escola”, afirma Ruiz.

O estudo de Ruiz acompanhou mais de 1.300 adolescentes, e mostrou que os jovens que têm seus status questionados ou são rejeitados socialmente pelos colegas de classe, ou mesmo aqueles que não se propõem a intimidar outros alunos, sofrem de grande sentimentos de solidão, baixa auto-estima e menores níveis de satisfação com suas vidas.

Violência relacional é coisa de menina também

Apesar dos resultados dos estudos desse tipo de violência e a relação entre gênero serem contraditórias, as conclusões dos pesquisadores da UPO mostraram que os adolescentes do sexo masculino usam mais da violência interelacional.

Mas quando esse tipo de comportamento violento é usado como resposta defensiva a uma provocação, tanto homens quanto mulheres mostraram resultados similares. “É possível que estes comportamentos sejam mais verbais nas mulheres e mais físicos nos homens”, observa Cristiano Nabuco de Abreu, psicólogo do Instituto de Psiquiatria (IPq) da Faculdade de Medicina da USP.

A violência interelacional é o tipo de comport...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535