.
 

Protegendo a saúde ocular Cuiabá, Mato Grosso

"Os efeitos nocivos do sol à visão são maiores na infância", destaca o autor. Conheça os riscos de desenvolvimento de doenças oculares infantis. Ele recomenda os procedimentos para proteger os olhos das crianças.

Eliane Solange de Souza Pires
(65) 3617-1688
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Antônio M Silva
(65) 3321-4451
r Joaquim Murtinho, 940 Centro Sul
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Clínica Genus Ltda
(65) 3642-4742
av Aclimação, 508, Bsq da Saúde
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Center Clin
(65) 3321-5658
r Br de Melgaço, 2403
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Ângela Cristina Fanzeres Monteiro Fortes
(65) 3621-1806
r Dr Clóvis Corrêa Costa, s/n c 201
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Naíra Domingos Sé
(65) 3322-2504
Rua Rua dos Líriosº 525
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Audimet Auditoria em Saúde e Medicina do Trabalho
(65) 3321-8725
r Des José Mesquita, 303 Araés
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Center Med
(65) 3023-6666
r Gago Coutinho, 359
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Castro, Maria C D
(65) 3321-5658
r Br Melgaço, 2403
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Cecan
(65) 3623-7032
Pc Do Seminário, 141
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Protegendo a saúde ocular

Fornecido por: 



19/11/2009

Sol prejudica mais a visão de crianças

No Brasil , para cada criança que usa óculos de grau com proteção solar há 6 adultos. Os efeitos nocivos do sol à visão são maiores na infância

Pesquisas realizadas em diversos países mostram que para cada criança que protege os olhos do sol há 5 adultos. No Brasil este índice é um pouco mais alto – 1 criança para cada 6 adultos - pelo menos, entre os que usam lentes corretivas para corrigir vícios de refração (miopia, astigmatismo, hipermetropia). É o que aponta o comparativo de dois estudos realizados pelo oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto – Um com 223 adultos em idade acima de 50 anos e outro com 233 crianças entre 10 e 14 anos. Entre adultos, dos 42% que usavam óculos de grau, 30% das lentes tinham proteção UV (ultravioleta) contra 5% das lentes corretivas usadas por 20% das crianças. O médico afirma que ao contrário do que muitas pessoas imaginam, na infância, os efeitos nocivos do sol para os olhos são maiores. Os fatores que aumentam os riscos são:

  • Crianças têm a pupila maior e propensão à fotofobia (sensibilidade à luz) porque o cristalino é mais transparente.
  • Até 10 anos, a maior transparência do cristalino permite que 75% da radiação UVA e UVB penetrem na retina, contra 10% aos 30 anos de idade.
  • A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que 20% dos casos de catarata são decorrentes da excessiva exposição ao sol.
  • A absorção do UV pelos olhos é cumulativa. Além de catarata precoce, pode causar pterígio, degeneração da retina e inflamação na córnea.
  • Crianças passam 3 vezes mais tempo ao ar livre do que adultos e isso exige maior proteção.

PROTEÇÃO OCULAR IDEAL PARA CADA IDADE

Queiroz Neto afirma que até 10 anos de idade os olhos devem ser protegidos do sol com viseira, chapéu de aba larga ou boné, barreiras físicas que bloqueiam 50% da radiação UV. Isso porque, explica, embora o sistema ocular esteja completamente desenvolvido aos 3 anos de idade, a visão é moldada até os 10 anos. Significa que neste período o estímulo visual de cores, formas e brilho contribuem para perfeita moldagem da visão que está associada à capacidade de aprender. Por isso, ressalta, o escurecimento das imagens por óculos solares pode comprometer este processo nesta fase da vida. Só a partir dos 10 anos os óculos escuros devem ser usados. Como a OMS recomenda proteção máxima, que inclui uso de óculos quando o índice UV at...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535