.
 

Previna o surgimento da enxaqueca Luís Correia PI

Compreenda a origem da enxaqueca. Entenda também, porque as mulheres sofrem mais crises. O médico Getúlio Daré Ribeiro comenta o problema.

Jerlene Maria de Sousa Barbosa
(86) 3221-7120
R Felix Pacheco 2159 - S Sala 304
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Nilmar Pereira da Silva
R Rio Grande do Sul 897 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Wilson Nunes Martins
(61) 0862-2378
R Sao Pedro 2700
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
In Neurofisio - Investigacao de Neurol. e Neurof
(86) 223-1718
Gabriel Ferreiraz/Nate 1125 - /1126 986
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Raimundo Nogueira de Sa Filho
(86) 3221-2860
R Governador Raimundo Artur de Vasconcelos 289 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Antonio de Padua Rego Junior
(86) 3221-1023
R Coelho de Resende 123 - Sul
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Arquimedes Cavalcante Cardoso
(86) 3221-4462
R Governador Raimundo Artur de Vasconcelos 670 - Sl 405
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Luiz Claudio Pereira Galvao
(86) 3222-3912
R Felix Pacheco 2159 - Sala 406
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Francisco Ferreira Ramos
(86) 3222-6523
R Rio Grande do Sul 1030 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Marcos Alcino Soares S Marques
(86) 4009-1100
R Coelho de Resende 1276 - Espaco Vida Hti
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Previna o surgimento da enxaqueca

Fornecido por: 



23/09/2009

Elas sofrem mais com a enxaqueca

Saiba por que as mulheres são as maiores vítimas dessa que é a mais terrível das dores de cabeça e como prevenir o aparecimento de novas crises

Para cada homem com dores atrozes na cabeça, há 2,2 mulheres afetadas pela enxaqueca, a mais terrível de todas elas. A enxaqueca é, na verdade, uma doença neurológica crônica com causas variadas e predisposição genética. "É muito comum, durante a primeira consulta com o paciente, descobrir que ele possui algum parente de 1.° grau com a mesma doença", confirma Getúlio Daré Ribeiro, coordenador do Ambulatório de Cefaleia do Hospital das Clínicas de São Paulo.

O médico ainda alerta para o fato de que, aproximadamente, 20% da população feminina sofra suas consequências. Entre os homens, a porcentagem varia entre 5% e 10%. O problema, geralmente, se inicia na infância ou na adolescência e pode acompanhar a pessoa por toda a vida. Na prática, ela se traduz por uma dor unilateral, latejante, e piora com a movimentação, o que obriga muitas vezes a pessoa a recolher-se num quarto escuro por causa da hipersensibilidade à luz e aos ruídos.

O incômodo pode durar entre quatro e 72 horas. Causa sensação de dormência em membros do corpo, náusea e perturbações visuais, como luzes piscando e visão embaçada. Enfim, um tormento, mas hoje cada vez melhor controlado, especialmente para aqueles que aceitam que não basta entupirse de medicamentos para aliviar a dor.

Dores que pioram à mesa

Os maiores vilões da enxaqueca são três: jejum prolongado, bebida alcoólica e consumo excessivo de café, segundo o especialista Mario Peres. Tomar muito refrigerante diet (com aspartame) e temperar a comida com glutamato monossódico (mais conhecido por seu nome comercial aji-no-moto) são outros hábitos proibitivos por serem conhecidos como gatilhos para as dores. Estima-se que quatro ou cinco cafezinhos contenham 200 mg de cafeína, o limite máximo permitido. O problema é o hábito disseminado nos escritórios e repartições de tomar várias xícaras ao longo do dia. A soma dessas pequenas doses gera propensão maior para dor de cabeça, irritabilidade, insônia, tremor nas mãos, ansiedade. Por isso, é importante vigiar o consumo de café.

HORMÔNIOS E ATITUDES

O primeiro estudo epidemiológico que mapeou a enxaqueca no Brasil, por amostra populacional, indicou que o Sudeste é campeão nesse quesito, com índices que chegam a 20,5% de toda a população, seguido pela região Sul, com 16,4%...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535