.
 

Previna o surgimento da enxaqueca Arapiraca, Alagoas

Compreenda a origem da enxaqueca. Entenda também, porque as mulheres sofrem mais crises. O médico Getúlio Daré Ribeiro comenta o problema.

Aldo Sergio Calaca Costa
(82) 3327-1373
R Doutor Antonio Cansancao 465
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Adolfo Vasconcelos de Albuquerque
(82) 3241-4250
Ulisses Braga Junior 323
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Ronaldo Buarque Gusmao
823-2180
Av Fernandes Lima Km 05
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Ubiratan Silveira Jatoba
Professor Sandoval Arroxelas 863
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Rosangela Ferreira de Macedo
(82) 2126-0704
R Dr. Afonso de Melo 68 - Edf.Harmony Center7 Andarsl 704Stella Maris
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Ricardo Macedo Camelo
(82) 2121-7700
Av.Gustavo Paiva 2990
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Rui Oliveira Costa
822-1237
R Hugo Correa Paes 253
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Ronald Cabral de Mendonca
(08) 2241-7533
Rua Doutor Floriano Ivo 205
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Lucia Helena Braz Reis da Silva
(82) 3338-2431
R. Manoel Gonçalves Tenorio 99
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Ricardo Buarque Tenorio
(82) 3326-1945
R Pedro Monteiro 137
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Previna o surgimento da enxaqueca

Fornecido por: 



23/09/2009

Elas sofrem mais com a enxaqueca

Saiba por que as mulheres são as maiores vítimas dessa que é a mais terrível das dores de cabeça e como prevenir o aparecimento de novas crises

Para cada homem com dores atrozes na cabeça, há 2,2 mulheres afetadas pela enxaqueca, a mais terrível de todas elas. A enxaqueca é, na verdade, uma doença neurológica crônica com causas variadas e predisposição genética. "É muito comum, durante a primeira consulta com o paciente, descobrir que ele possui algum parente de 1.° grau com a mesma doença", confirma Getúlio Daré Ribeiro, coordenador do Ambulatório de Cefaleia do Hospital das Clínicas de São Paulo.

O médico ainda alerta para o fato de que, aproximadamente, 20% da população feminina sofra suas consequências. Entre os homens, a porcentagem varia entre 5% e 10%. O problema, geralmente, se inicia na infância ou na adolescência e pode acompanhar a pessoa por toda a vida. Na prática, ela se traduz por uma dor unilateral, latejante, e piora com a movimentação, o que obriga muitas vezes a pessoa a recolher-se num quarto escuro por causa da hipersensibilidade à luz e aos ruídos.

O incômodo pode durar entre quatro e 72 horas. Causa sensação de dormência em membros do corpo, náusea e perturbações visuais, como luzes piscando e visão embaçada. Enfim, um tormento, mas hoje cada vez melhor controlado, especialmente para aqueles que aceitam que não basta entupirse de medicamentos para aliviar a dor.

Dores que pioram à mesa

Os maiores vilões da enxaqueca são três: jejum prolongado, bebida alcoólica e consumo excessivo de café, segundo o especialista Mario Peres. Tomar muito refrigerante diet (com aspartame) e temperar a comida com glutamato monossódico (mais conhecido por seu nome comercial aji-no-moto) são outros hábitos proibitivos por serem conhecidos como gatilhos para as dores. Estima-se que quatro ou cinco cafezinhos contenham 200 mg de cafeína, o limite máximo permitido. O problema é o hábito disseminado nos escritórios e repartições de tomar várias xícaras ao longo do dia. A soma dessas pequenas doses gera propensão maior para dor de cabeça, irritabilidade, insônia, tremor nas mãos, ansiedade. Por isso, é importante vigiar o consumo de café.

HORMÔNIOS E ATITUDES

O primeiro estudo epidemiológico que mapeou a enxaqueca no Brasil, por amostra populacional, indicou que o Sudeste é campeão nesse quesito, com índices que chegam a 20,5% de toda a população, seguido pela região Sul, com 16,4%...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535