.
 

Estudo explica gene da intoxicação por álcool Anápolis, Goiás

Entenda a intoxicação alcoólica. "Alguns cientistas dizem crer que a maior vulnerabilidade à intoxicação etílica desencoraje portadores da mutação a beber", diz o autor. Compreenda os detalhes desse estudo.

contra o cancer
(64) 8438-0914
av. jk de oliveira nº 716
piranhas, Goiás
 
Cevam Centro de Valorização da Mulher
3212 04 30
Rua SNF setor norte Ferroviario
Goiânia, Goiás
 
Centro Materno Infantil Sonia Santilo
(62) 319-1636
r Taguatinga, 100, lt 7
Anápolis, Goiás
 
Escola Príncipe Encantado
(62) 324-6685
r Willian Sabino Rodrigues, 280, qd 2 lt 21, Parque Das Primaveras
Anápolis, Goiás
 
Escola Príncipe Encantado
(62) 324-6685
r Willian Sabino Rodrigues, 280, qd 2 lot 21, Parque Das Primaveras
Anápolis, Goiás
 
ABRACC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AJUDA À CRIANÇA COM CÂNCER
(62) 4052-0109
Pç Doutor Pedro Ludovico Teixeira, 11 - Setor Central
Goiânia, Goiás
 
Centro Materno Infantil Sonia Santilo
(62) 319-1636
r Taguatinga, 100, lot 7, Paraíso Ss
Anápolis, Goiás
 
Creche Vovó Nice
(62) 248-6252
r Inhambu, 26, lt 4
Anápolis, Goiás
 
Escola Girassol
(62) 894-1611
av 002, 6, lt 36, Antônio Fernandes
Anápolis, Goiás
 
Centro Int do Defic Físico de Ans Cidfa
(62) 318-3763
r Qd H, 17
Anápolis, Goiás
 

Estudo explica gene da intoxicação por álcool

Fornecido por: 



12/01/2010

Estudo explica gene da intoxicação por álcool

Alguns cientistas dizem crer que a maior vulnerabilidade à intoxicação etílica desencoraje portadores da mutação a beber

Uma síndrome genética que afeta 10% da população mundial --a susceptibilidade à intoxicação por álcool, que deixa as pessoas com a face vermelha-- ganhou uma esperança de cura. Um grupo de pesquisadores americanos anunciou ontem ter identificado o mecanismo por trás do problema e mostrou como uma molécula sintética pode reverter o processo.

A mutação que dá origem à síndrome é mais comum em indivíduos de origem asiática (cerca de 40% dessa população) e tem consequências que vão além de bochechas ruborizadas, explicam os autores do trabalho.

Portadores do problema têm deficiência na produção de uma enzima que ajuda a quebrar e eliminar as toxinas que o etanol gera dentro do organismo. Eles estão sob maior risco de câncer no esôfago.

Mesmo em pessoas que não consomem álcool, a anomalia que a síndrome produz as torna mais vulneráveis a mal de Alzheimer e infarto do miocárdio. Isso ocorre porque o processo metabólico que é afetado em portadores da mutação também é responsável por limpar toxinas que surgem quando há falta de oxigênio no organismo.

O novo estudo, publicado na revista "Nature Structural and Molecular Biology", descreve o que está por trás do rubor etílico que, na cultura popular, é atribuído apenas a uma fraqueza genérica para bebidas.

Túnel molecular

A enzima afetada pela mutação que o grupo descreve é a ALDH2. Seu papel no organismo é limpar o acetaldeído, uma das toxinas que se acumulam no corpo quando bebemos álcool. Nos indivíduos com a síndrome, a molécula de ALDH2 é produzida incorretamente e não dá conta do serviço.

"Por causa da mutação no gene, partes da proteína ficam soltas e maleáveis", explica Thomas Hurley, bioquímico da Universidade de Indiana que liderou o estudo, num comunicado à imprensa.

No trabalho, ele e seus colegas mostram como uma molécula sintetizada por eles, batizada de Alda-1, foi capaz de consertar a enzima disfuncional em experimentos.

A Alda-1 tinha sido descoberta por Hurley e outros cientistas em 2008, usando uma técnica de pesquisa de "força-bruta", chamada high-throughput screening, usada por grandes indústrias farmacêuticas.

Ela consiste em um sistema robótico que testa automaticamente a ação de milhões ...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535