.
 

Estudando o câncer de tireoide Ji-Paraná, Rondônia

Saiba como é possível diagnosticar o câncer de tireoide. A endocrinologista Danielle Andreoni descreve os aspectos dessa doença que não apresenta sintomas. Saiba também sobre os tipos de tumor.

F W Medical Center
(69) 3224-1827
R Paulo Leal 393
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Nehil Alvarenga Lisboa Fl
(69) 421-4436
av Marechal Rondon, 870, sl 313
Ji-Paraná, Rondônia
 
Eva Batista Silva
(69) 421-4904
r Abilio Freire Santos, 72
Ji-Paraná, Rondônia
 
Antônio Alves Madruga
(69) 421-4279
r Julio Guerra, 290
Ji-Paraná, Rondônia
 
Isaias Simões da Silva
(69) 421-1494
av 2 de Abril, 1895
Ji-Paraná, Rondônia
 
Manoel Lopes Lamego
(69) 421-5858
r 22 de Novembro, 441
Ji-Paraná, Rondônia
 
Levindo Custódio Primo
(69) 421-3587
r 22 de Novembro, 535
Ji-Paraná, Rondônia
 
Gastroclinica
(69) 421-5833
RS João, 1325
Ji-Paraná, Rondônia
 
Mare Mansa Clube Campo
(69) 422-2068
rdv BR SN
Ji-Paraná, Rondônia
 
Eli Angelo Neuhaus
(69) 342-2996
r Portugal, 2747
Cerejeiras, Rondônia
 
Dados Divulgados por

Estudando o câncer de tireoide

Fornecido por: 



27/08/2009

Câncer de tireoide

Quanto antes diagnosticar, melhor

A tireoide garante o bom funcionamento de diversas funções do organismo, como os batimentos cardíacos e os movimentos intestinais, a partir da produção de dois hormônios: o T3 e o T4. É comum a presença de nódulos nessa glândula, e a maioria é assintomática e não traz complicações nem prejuízo à qualidade de vida. “De 30% a 40% da população tem nódulos tireoidianos”, afirma a dra. Danielle Andreoni, endocrinologista e coordenadora do Centro de Doenças da Tireoide do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), localizado na Unidade Vila Mariana. Entretanto, cerca de 5% dos nódulos são tumores malignos.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), esse tipo de tumor é três vezes mais frequente entre as mulheres e, nos Estados Unidos, corresponde a 3% de todos os casos de câncer no sexo feminino. No Brasil, estima-se que 1% dos tumores seja na tireoide. “Não há causas comprovadas para a maior incidência ser nas mulheres. Supõe-se que haja alguma relação com os hormônios, mas ainda não há pesquisas definitivas”, avisa a dra. Danielle.

Sem sintomas

Em geral, o nódulo é diagnosticado em exames de rotina ou durante um checkup. Dificilmente alguém vai ao médico com suspeita de problema na tireoide, justamente por não apresentar sintomas. Antes, o diagnóstico era feito com o exame clínico, por meio da palpação da glândula pelo médico. Hoje, a ultrassonografia é o método mais avançado de detecção.

Se o diagnóstico for positivo, o médico analisa o tamanho do nódulo, se há apenas um, e ainda verifica quais alterações está provocando na glândula:

  • hipertiroidismo, quando a tireoide está superativa;
  • hipotiroidismo, quando a glândula está hipoativa, tornando a produção de hormônios está mais lenta.

“Se o nódulo é pequeno e não traz alterações, é recomendado acompanhamento anual, para verificar se haverá evolução”, explica a endocrinologista. Também é possível tentar reverter o quadro com uso de medicamentos.

Somente a ultrassonografia não permite estabelecer a diferença entre o nódulo benigno e o maligno. Para confirmar o diagnóstico de nódulo maligno, é realizada a punção como exame complementar. Uma agulha é introduzida no nódulo e o conteúdo aspirado, analisado em laboratóri...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535