.
 

Estudando o câncer de tireoide Cuiabá, Mato Grosso

Saiba como é possível diagnosticar o câncer de tireoide. A endocrinologista Danielle Andreoni descreve os aspectos dessa doença que não apresenta sintomas. Saiba também sobre os tipos de tumor.

Agape Instituto Medico
Rubens de Mendoncade 3985 - /3986 5500 ao Fim 5 Nucleo Habitacional Cpa
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Luciana
(65) 3626-3001
Rua Adel Maluf 119 - Ed Santa Rosa Tower - Sala 1501
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Agape Instituto Medico
Rubens de Mendoncade 3985 - /3986 5500 ao Fim 5 Nucleo Habitacional Cpa
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Luciana
(65) 3626-3001
Rua Adel Maluf 119 - Ed Santa Rosa Tower - Sala 1501
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Cervantes Caporossi
Rua Marechal Deodoro 582
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Cervantes Caporossi
Rua Marechal Deodoro 582
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Nutec Rondonópolis
Rua Acyr Resende Souza e Silva 100
Rondonopolis, Mato Grosso
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Estudando o câncer de tireoide

Fornecido por: 



27/08/2009

Câncer de tireoide

Quanto antes diagnosticar, melhor

A tireoide garante o bom funcionamento de diversas funções do organismo, como os batimentos cardíacos e os movimentos intestinais, a partir da produção de dois hormônios: o T3 e o T4. É comum a presença de nódulos nessa glândula, e a maioria é assintomática e não traz complicações nem prejuízo à qualidade de vida. “De 30% a 40% da população tem nódulos tireoidianos”, afirma a dra. Danielle Andreoni, endocrinologista e coordenadora do Centro de Doenças da Tireoide do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), localizado na Unidade Vila Mariana. Entretanto, cerca de 5% dos nódulos são tumores malignos.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), esse tipo de tumor é três vezes mais frequente entre as mulheres e, nos Estados Unidos, corresponde a 3% de todos os casos de câncer no sexo feminino. No Brasil, estima-se que 1% dos tumores seja na tireoide. “Não há causas comprovadas para a maior incidência ser nas mulheres. Supõe-se que haja alguma relação com os hormônios, mas ainda não há pesquisas definitivas”, avisa a dra. Danielle.

Sem sintomas

Em geral, o nódulo é diagnosticado em exames de rotina ou durante um checkup. Dificilmente alguém vai ao médico com suspeita de problema na tireoide, justamente por não apresentar sintomas. Antes, o diagnóstico era feito com o exame clínico, por meio da palpação da glândula pelo médico. Hoje, a ultrassonografia é o método mais avançado de detecção.

Se o diagnóstico for positivo, o médico analisa o tamanho do nódulo, se há apenas um, e ainda verifica quais alterações está provocando na glândula:

  • hipertiroidismo, quando a tireoide está superativa;
  • hipotiroidismo, quando a glândula está hipoativa, tornando a produção de hormônios está mais lenta.

“Se o nódulo é pequeno e não traz alterações, é recomendado acompanhamento anual, para verificar se haverá evolução”, explica a endocrinologista. Também é possível tentar reverter o quadro com uso de medicamentos.

Somente a ultrassonografia não permite estabelecer a diferença entre o nódulo benigno e o maligno. Para confirmar o diagnóstico de nódulo maligno, é realizada a punção como exame complementar. Uma agulha é introduzida no nódulo e o conteúdo aspirado, analisado em laboratóri...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535