.
 

Estudando a percepção do tempo Luís Correia PI

Entenda a relação da percepção do tempo com a memória. "A sensação do tempo passando pode ser muito distinta, dependendo do que você pensa e como pensa", cita o autor. Conheça as teorias sobre o assunto.

Jose Nazareno Pearce de O Brito
R Sao Pedro 2133 - Cl Lucidio Portela
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Antonio de Padua Rego Junior
(86) 3221-1023
R Coelho de Resende 123 - Sul
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Marcos Alcino Soares S Marques
(86) 4009-1100
R Coelho de Resende 1276 - Espaco Vida Hti
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Nilmar Pereira da Silva
R Rio Grande do Sul 897 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Arquimedes Cavalcante Cardoso
(86) 3221-4462
R Governador Raimundo Artur de Vasconcelos 670 - Sl 405
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
In Neurofisio - Investigacao de Neurol. e Neurof
(86) 223-1718
Gabriel Ferreiraz/Nate 1125 - /1126 986
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Francisco Ferreira Ramos
(86) 3222-6523
R Rio Grande do Sul 1030 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Jerlene Maria de Sousa Barbosa
(86) 3221-7120
R Felix Pacheco 2159 - S Sala 304
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Raimundo Nogueira de Sa Filho
(86) 3221-2860
R Governador Raimundo Artur de Vasconcelos 289 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Wilson Nunes Martins
(61) 0862-2378
R Sao Pedro 2700
Teresina, Piauí
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Estudando a percepção do tempo

Fornecido por: 



19/01/2010

Forma como percebemos o tempo depende da memória, diz estudo

Na verdade, os cientistas não têm certeza de como o cérebro acompanha o tempo

Aquela velha pergunta alarmante da manhã seguinte à virada do ano ("Ai, o que foi que eu fiz ontem à noite?") – pode até parecer agradável em comparação àquela que pode vir em seguida, "Ai, o que exatamente eu fiz com o ano passado?" Ou: "Espere um minuto – por acaso uma década acabou de passar?"

Sim. Em algum ponto entre a trigonometria e a colonoscopia, alguém deve ter pressionado o botão de avançar. O tempo pode marchar, caminhar, voar ou engatinhar, mas no início de janeiro sempre parece que ele relampejou como um convidado bravo para o jantar, deixando conversas inacabadas, relacionamentos ainda travados, maus hábitos ainda vivos, metas inalcançadas.

"Acho que, para muitas pessoas, nós pensamos em nossos objetivos, e se nada de mais aconteceu com eles, então de repente parece que foi ontem que os definimos", disse Gal Zauberman, professor-associado de marketing da Wharton School of Business.

Porém, a sensação do tempo passando pode ser muito distinta, segundo Zauberman, "dependendo do que você pensa e como pensa".

Na verdade, os cientistas não têm certeza de como o cérebro acompanha o tempo. Uma teoria afirma que ele tem um grupo de células especializadas em contar intervalos de tempo; outra diz que uma ampla gama de processos neurais age como um relógio interno.

De qualquer forma, segundo estudos, este marcapasso biológico não possui um grande alcance de intervalos longos. O tempo não parece desacelerar com um gotejar numa tarde vazia e acelerar quando o cérebro está envolvido em pensamentos desafiadores. Estimulantes, incluindo a cafeína, tendem a fazer pessoas sentirem que o tempo está passando mais rápido; trabalhos complexos, como calcular seus impostos, podem parecer se arrastar por mais tempo do que realmente tomam.

E acontecimentos emocionais – uma separação, uma promoção, uma viagem para fora do país – tendem a ser percebidos como mais recentes do que na realidade, em meses ou até anos.

Para resumir, segundo alguns psicólogos, as descobertas sustentam a observação do filósofo Martin Heidegger, de que o tempo "persiste meramente como uma consequência dos eventos ocorrendo dentro dele".
Agora, pesquisadores acreditam que o contrário também pode ser verdade: se muito poucos eventos vêm à mente, a percepção do tempo não persiste; o cérebro encurta o intervalo que passou.

Num estudo publicado na ediç&a...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535