.
 

Estudando a percepção do tempo Craíbas AL

Entenda a relação da percepção do tempo com a memória. "A sensação do tempo passando pode ser muito distinta, dependendo do que você pensa e como pensa", cita o autor. Conheça as teorias sobre o assunto.

Rosangela Ferreira de Macedo
(82) 2126-0704
R Dr. Afonso de Melo 68 - Edf.Harmony Center7 Andarsl 704Stella Maris
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Aldo Sergio Calaca Costa
(82) 3327-1373
R Doutor Antonio Cansancao 465
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
João Pedro Jatoba Neto
Rua Franca Morel 126
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Ubiratan Silveira Jatoba
Professor Sandoval Arroxelas 863
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Ronaldo Buarque Gusmao
823-2180
Av Fernandes Lima Km 05
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Adolfo Vasconcelos de Albuquerque
(82) 3241-4250
Ulisses Braga Junior 323
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Ricardo Buarque Tenorio
(82) 3326-1945
R Pedro Monteiro 137
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Ronald Cabral de Mendonca
(08) 2241-7533
Rua Doutor Floriano Ivo 205
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Lucia Helena Braz Reis da Silva
(82) 3338-2431
R. Manoel Gonçalves Tenorio 99
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Rui Oliveira Costa
822-1237
R Hugo Correa Paes 253
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Estudando a percepção do tempo

Fornecido por: 



19/01/2010

Forma como percebemos o tempo depende da memória, diz estudo

Na verdade, os cientistas não têm certeza de como o cérebro acompanha o tempo

Aquela velha pergunta alarmante da manhã seguinte à virada do ano ("Ai, o que foi que eu fiz ontem à noite?") – pode até parecer agradável em comparação àquela que pode vir em seguida, "Ai, o que exatamente eu fiz com o ano passado?" Ou: "Espere um minuto – por acaso uma década acabou de passar?"

Sim. Em algum ponto entre a trigonometria e a colonoscopia, alguém deve ter pressionado o botão de avançar. O tempo pode marchar, caminhar, voar ou engatinhar, mas no início de janeiro sempre parece que ele relampejou como um convidado bravo para o jantar, deixando conversas inacabadas, relacionamentos ainda travados, maus hábitos ainda vivos, metas inalcançadas.

"Acho que, para muitas pessoas, nós pensamos em nossos objetivos, e se nada de mais aconteceu com eles, então de repente parece que foi ontem que os definimos", disse Gal Zauberman, professor-associado de marketing da Wharton School of Business.

Porém, a sensação do tempo passando pode ser muito distinta, segundo Zauberman, "dependendo do que você pensa e como pensa".

Na verdade, os cientistas não têm certeza de como o cérebro acompanha o tempo. Uma teoria afirma que ele tem um grupo de células especializadas em contar intervalos de tempo; outra diz que uma ampla gama de processos neurais age como um relógio interno.

De qualquer forma, segundo estudos, este marcapasso biológico não possui um grande alcance de intervalos longos. O tempo não parece desacelerar com um gotejar numa tarde vazia e acelerar quando o cérebro está envolvido em pensamentos desafiadores. Estimulantes, incluindo a cafeína, tendem a fazer pessoas sentirem que o tempo está passando mais rápido; trabalhos complexos, como calcular seus impostos, podem parecer se arrastar por mais tempo do que realmente tomam.

E acontecimentos emocionais – uma separação, uma promoção, uma viagem para fora do país – tendem a ser percebidos como mais recentes do que na realidade, em meses ou até anos.

Para resumir, segundo alguns psicólogos, as descobertas sustentam a observação do filósofo Martin Heidegger, de que o tempo "persiste meramente como uma consequência dos eventos ocorrendo dentro dele".
Agora, pesquisadores acreditam que o contrário também pode ser verdade: se muito poucos eventos vêm à mente, a percepção do tempo não persiste; o cérebro encurta o intervalo que passou.

Num estudo publicado na ediç&a...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535