.
 

Estresse materno prejudica desenvolvimento do bebê Rio Branco, Acre

SISSAUDE - sistema integrado de saúde - RS

Gilcilene de Souza Almada Pereira de Araujo
R Rua Dom Bosco 573
Rio Branco, Acre
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Centro Acreano de Pesquisa e Assistência Integrada
(68) 3223-5588
r Goldwasser Santos, 31 Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Clínica Centrocor
(68) 3223-5193
r Alvorada, 54 Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Clinisaúde
(68) 3223-4054
r Mal Deodoro,690 Capoeira
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Clínica Santa Lúcia
(68) 3224-8057
av Getúlio Vargas, 1919 s 2 Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Antonio Lisboa Carneiro Braga
(68) 3223-9023
Rua Alvorada 178 - Centro Médico/Sala 08
Rio Branco, Acre
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Clinicas Reuniodas
(68) 3223-6008
r José Melo, 107 Q.107 sL.80 Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Med Medicina Diagnóstico
(68) 3223-3705
av Getúlio Vargas, 1940 Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Clini Parque
(68) 3224-1077
Tv Campo do Rio Branco, 313 Capoeira
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Consultório Médico
(68) 3222-7170
r Epaminondas Jacome, 178 Cadeia Velha
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Estresse materno prejudica desenvolvimento do bebê

Fornecido por: 



18/02/2009

Estresse materno

Estudo revela o papel do hormônio cortisol em problemas no desenvolvimento do feto

O estudo de Glover et al., a ser publicado na revista Psychoneuroendocrinology, em abril de 1999, revelou que o estresse materno durante a gravidez pode ocasionar problemas no desenvolvimento do feto, e o hormônio cortisol pode ter um papel importante nessa questão. O hormônio cortizol é produzido em resposta ao estresse e causa uma série de alterações, tal como a supressão do sistema imune.

O estudo foi realizado com 262 mulheres grávidas, entre 15 e 37 anos, nas quais foi aplicado um questionário para avaliar o nível e de estresse e foi coletado o líquido aminiótico. O nível do hormônio cortizol no líquido aminiótico relacionou-se os estado de estresse das mães, ou seja, o grupo de mães mais estressadas apresentou o líquido aminiótico com mais cortisol que o grupo de mães menos estressadas. O que sugeriu que o cortisol pode atravessar a placenta e afetar o desenvolvimento do feto.

Segundo os pesquisadores, os resultados encontrados podem ter implicações clínicas em relação a algumas medicações. Esses autores citaram com exemplo a medicação prednisolone, que é usada para tratar várias patologias durante a gravidez, tais como a asma e as artrites reumáticas. Essa medicação, até então, foi considerada segura, porém, é metabolizada similarmente ao cortisol. O que significa que talvez possa atravessar a placenta e influenciar no desenvolvimento do feto.

Assim, os autores alertaram que o estresse materno pode ampliar os possiveis efeitos danosos de tais tipos de medicações para o feto. Igualmente, enfatizaram a importância de programas de intervenção ao estresse em mulheres grávidas.

Referência

GLOVER, V. et al. Assossiation between maternal and aminiotic fluid cortisol is moderated by maternal anxiety. Psychoneuroendocrinology, v. 34, n. 3, p. 430-435, abr. 2009.


Autor: Marli Appel - Equipe Sis.Saúde
Fonte: Psychoneuroendocrinology


Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535