.
 

Estresse materno prejudica desenvolvimento do bebê Luís Correia PI

SISSAUDE - sistema integrado de saúde - RS

Lucia Maria Machado Rego
863-2225
R Primeiro de Maio 1066
Teresina, Piauí
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Joaquim Vaz Parente - Clam
233-2721
Av Dom Severino 1410
Teresina, Piauí
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Lucia Maria de Miranda Adad
(86) 221-8240
R Governador Raimundo Artur de Vasconcelos 616 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Genética Médica

Dados Divulgados por
Multclinn Fonoaudiologia Psicologia
0(86) 3081 0567
rua bejamin constant 1367 centro
teresina, Piauí
Especialidade
fonoaudiologia e psicologia

Dr. Anatole Santos de Almeida Borges
(86) 8845-0070
Rua Magalhães Filho, 768. Centro/Sul. Teresina-PI
Teresina, Piauí
Especialidade
Reprodução Humana/ Ginecologia

Carla Soares Fortes
(86) 3221-6050
R Olavo Bilac 2300 - Ambulatorio H Sao Marcos
Teresina, Piauí
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Benedita Andrade Leal de Abreu
R Desembargador Pires de Castro 489 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Ana Paula de Sousa Pereira
086 9947-8208
Rua Prof. alda Neiva 4781 Dirceu II
Teresina, Piauí
Especialidade
Fisioterapia

Implantes Dentais / Odontologia / Teresina
(86) 3217-3215
Rua Pires de Castro 260 - Sala 203 - Ed. Dergin
Teresina, Piauí
Especialidade
Implantes Dentarios

Dados Divulgados por

Estresse materno prejudica desenvolvimento do bebê

Fornecido por: 



18/02/2009

Estresse materno

Estudo revela o papel do hormônio cortisol em problemas no desenvolvimento do feto

O estudo de Glover et al., a ser publicado na revista Psychoneuroendocrinology, em abril de 1999, revelou que o estresse materno durante a gravidez pode ocasionar problemas no desenvolvimento do feto, e o hormônio cortisol pode ter um papel importante nessa questão. O hormônio cortizol é produzido em resposta ao estresse e causa uma série de alterações, tal como a supressão do sistema imune.

O estudo foi realizado com 262 mulheres grávidas, entre 15 e 37 anos, nas quais foi aplicado um questionário para avaliar o nível e de estresse e foi coletado o líquido aminiótico. O nível do hormônio cortizol no líquido aminiótico relacionou-se os estado de estresse das mães, ou seja, o grupo de mães mais estressadas apresentou o líquido aminiótico com mais cortisol que o grupo de mães menos estressadas. O que sugeriu que o cortisol pode atravessar a placenta e afetar o desenvolvimento do feto.

Segundo os pesquisadores, os resultados encontrados podem ter implicações clínicas em relação a algumas medicações. Esses autores citaram com exemplo a medicação prednisolone, que é usada para tratar várias patologias durante a gravidez, tais como a asma e as artrites reumáticas. Essa medicação, até então, foi considerada segura, porém, é metabolizada similarmente ao cortisol. O que significa que talvez possa atravessar a placenta e influenciar no desenvolvimento do feto.

Assim, os autores alertaram que o estresse materno pode ampliar os possiveis efeitos danosos de tais tipos de medicações para o feto. Igualmente, enfatizaram a importância de programas de intervenção ao estresse em mulheres grávidas.

Referência

GLOVER, V. et al. Assossiation between maternal and aminiotic fluid cortisol is moderated by maternal anxiety. Psychoneuroendocrinology, v. 34, n. 3, p. 430-435, abr. 2009.


Autor: Marli Appel - Equipe Sis.Saúde
Fonte: Psychoneuroendocrinology


Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535