.
 

Entenda sobre a epilepsia Delmiro Gouveia AL

Conheça a definição de epilepsia. O autor descreve como é feito o diagnóstico e tratamento da doença. "Em casos de crises epiléticas generalizadas, não é possível proceder o socorro médico, pois elas são passageiras", destaca o autor.

Joao Lima Souza
(75) 3281-3212
Av.Apolonio Sales 136
Paulo Afonso, Bahia
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Adolfo Vasconcelos de Albuquerque
(82) 3241-4250
Ulisses Braga Junior 323
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Lucia Helena Braz Reis da Silva
(82) 3338-2431
R. Manoel Gonçalves Tenorio 99
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Ronald Cabral de Mendonca
(08) 2241-7533
Rua Doutor Floriano Ivo 205
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Ricardo Macedo Camelo
(82) 2121-7700
Av.Gustavo Paiva 2990
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Rosangela Ferreira de Macedo
(82) 2126-0704
R Dr. Afonso de Melo 68 - Edf.Harmony Center7 Andarsl 704Stella Maris
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Aldo Sergio Calaca Costa
(82) 3327-1373
R Doutor Antonio Cansancao 465
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Rui Oliveira Costa
822-1237
R Hugo Correa Paes 253
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Ronaldo Buarque Gusmao
823-2180
Av Fernandes Lima Km 05
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
João Pedro Jatoba Neto
Rua Franca Morel 126
Maceio, Alagoas
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda sobre a epilepsia

Fornecido por: 



26/10/2008

Controle de doença

De cada 100 brasileiros, pelo menos um sofre com a epilepsia

Doença que pode ocasionar crises convulsivas ou apenas pequenos desvios motores, a epilepsia, de acordo com a Federação Brasileira de Epilepsia, atinge um em cada 100 brasileiros. A doença, que é crônica, caracteriza-se pelas crises recorrentes e também por uma tendência do cérebro gerar ocorrências epiléticas.

O diagnóstico da doença é feito, principalmente, por conta das crises sucessivas, que tem sintomas variados, desde a mais conhecida, a tônico-clônica (que é generalizada) até outras menores, que lembram pequenos sustos ou ausências de movimentos. "Depende da região cerebral onde o defeito está localizado. Se é próximo da visão, os sintomas iniciais são nessa região, e assim por diante", explica o neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças Dr. Cleverson de Macedo Gracia.   Em casos de crises epiléticas generalizadas, como ocorrem de forma súbita, não é possível fazer um socorro médico, pois elas são passageiras e duram poucos minutos. Quem está perto, explica o médico, deve evitar que a pessoa se machuque (o epilético pode bater a cabeça, braços e pernas) e virar o rosto para que ela não se afogue com o vômito, que também pode ocorrer durante as crises. "Quando uma crise vem seguida da outra significa que são casos mais complexos e que exigem internamento em Unidade de Terapia Intensiva", salienta o neurologista.   O tratamento da doença é feito com medicamentos, os chamados antiepiléticos, que devem ser seguidos com controle pelo paciente. Há também a possibilidade de fazer cirurgia para epilepsia, que é realizada com técnicas pouco invasivas, que diagnosticam exatamente o local do cérebro onde as crises são geradas e tratam a área afetada. "Mas ela é indicada apenas quando não se consegue fazer o controle por meio de medicamentos", afirma Dr. Cleverson.   Ao contrário do que se pensa, quem tem epilepsia, se tomar os remédios corretamente e seguir as orientações médicas, segundo o neurologista, pode levar uma vida completamente normal. Somente em alguns casos, atividades como dirigir são proibidas. "As restrições dependem da gravidade da doença. A maioria dos pacientes controlados não apresenta nenhuma limitação".
Autor: Daiane Strapasson
Fonte: Expressa


Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535