.
 

Entenda sobre a epilepsia Abreu e Lima, Pernambuco

Conheça a definição de epilepsia. O autor descreve como é feito o diagnóstico e tratamento da doença. "Em casos de crises epiléticas generalizadas, não é possível proceder o socorro médico, pois elas são passageiras", destaca o autor.

Abelardo Ulisses Maia de Farias
3433-7453
R. Sapucaia 13
Paulista, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Maria Lucia Farias Lins
(81) 3429-2172
Rua do Sol 699
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Amdore Guescel C Asano
3423-4243
Av. Visconde de Suassuna 757
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Maria de Fatima Leal Griz
Horada 366 - Sl. 02
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Nivaldo Sena de Almeida
Rua Aristides Muniz 70 - Sala 104
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Antonio Marco Duarte de Albuquerque
343-2127
Av. Doutor Jose Augusto Moreira 787
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Angela Maysa Araujo
322-3567
Av. Frei Matias Teves 280
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
David Placido Lopes
Av.Abdias de Carvalho 807 - Sl. 1
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Jose Durval Campelo Costa
(81) 3231-5889
Av Portugal 163
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Valeria Salazar e Luiz Alberto Sobral
Av Visconde de Jequitinhonha 1144 - Sala 710
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda sobre a epilepsia

Fornecido por: 



26/10/2008

Controle de doença

De cada 100 brasileiros, pelo menos um sofre com a epilepsia

Doença que pode ocasionar crises convulsivas ou apenas pequenos desvios motores, a epilepsia, de acordo com a Federação Brasileira de Epilepsia, atinge um em cada 100 brasileiros. A doença, que é crônica, caracteriza-se pelas crises recorrentes e também por uma tendência do cérebro gerar ocorrências epiléticas.

O diagnóstico da doença é feito, principalmente, por conta das crises sucessivas, que tem sintomas variados, desde a mais conhecida, a tônico-clônica (que é generalizada) até outras menores, que lembram pequenos sustos ou ausências de movimentos. "Depende da região cerebral onde o defeito está localizado. Se é próximo da visão, os sintomas iniciais são nessa região, e assim por diante", explica o neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças Dr. Cleverson de Macedo Gracia.   Em casos de crises epiléticas generalizadas, como ocorrem de forma súbita, não é possível fazer um socorro médico, pois elas são passageiras e duram poucos minutos. Quem está perto, explica o médico, deve evitar que a pessoa se machuque (o epilético pode bater a cabeça, braços e pernas) e virar o rosto para que ela não se afogue com o vômito, que também pode ocorrer durante as crises. "Quando uma crise vem seguida da outra significa que são casos mais complexos e que exigem internamento em Unidade de Terapia Intensiva", salienta o neurologista.   O tratamento da doença é feito com medicamentos, os chamados antiepiléticos, que devem ser seguidos com controle pelo paciente. Há também a possibilidade de fazer cirurgia para epilepsia, que é realizada com técnicas pouco invasivas, que diagnosticam exatamente o local do cérebro onde as crises são geradas e tratam a área afetada. "Mas ela é indicada apenas quando não se consegue fazer o controle por meio de medicamentos", afirma Dr. Cleverson.   Ao contrário do que se pensa, quem tem epilepsia, se tomar os remédios corretamente e seguir as orientações médicas, segundo o neurologista, pode levar uma vida completamente normal. Somente em alguns casos, atividades como dirigir são proibidas. "As restrições dependem da gravidade da doença. A maioria dos pacientes controlados não apresenta nenhuma limitação".
Autor: Daiane Strapasson
Fonte: Expressa


Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535