.
 

Entenda sobre a epilepsia Abreu e Lima, Pernambuco

Conheça a definição de epilepsia. O autor descreve como é feito o diagnóstico e tratamento da doença. "Em casos de crises epiléticas generalizadas, não é possível proceder o socorro médico, pois elas são passageiras", destaca o autor.

Abelardo Ulisses Maia de Farias
3433-7453
R. Sapucaia 13
Paulista, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Maria Lucia Farias Lins
(81) 3429-2172
Rua do Sol 699
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Alfredo Jose da Costa Neto
3423-4568
Av. Portugal 163
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Gilson Edmar Goncalves e Silva
(81) 3268-1500
Av Parnamirim 95
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Silvio do Amaral Valenca
813-2311
R Buenos Aires 166
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Antonio Marco Duarte de Albuquerque
343-2127
Av. Doutor Jose Augusto Moreira 787
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Alcidezio Luis Sales de Barros
322-7925
Av. Engenheiro Abdias de Carvalho 807
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Maria Rozivera Araujo Rodrigues
(81) 3326-8953
Av Engenheiro Domingos Ferreira 4371 - Sala 203
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Angela Maysa Araujo
322-3567
Av. Frei Matias Teves 280
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Maria Lucia Brito Ferreira
Av. Visconde de Jequitinhonha 144
Recife, Pernambuco
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda sobre a epilepsia

Fornecido por: 



26/10/2008

Controle de doença

De cada 100 brasileiros, pelo menos um sofre com a epilepsia

Doença que pode ocasionar crises convulsivas ou apenas pequenos desvios motores, a epilepsia, de acordo com a Federação Brasileira de Epilepsia, atinge um em cada 100 brasileiros. A doença, que é crônica, caracteriza-se pelas crises recorrentes e também por uma tendência do cérebro gerar ocorrências epiléticas.

O diagnóstico da doença é feito, principalmente, por conta das crises sucessivas, que tem sintomas variados, desde a mais conhecida, a tônico-clônica (que é generalizada) até outras menores, que lembram pequenos sustos ou ausências de movimentos. "Depende da região cerebral onde o defeito está localizado. Se é próximo da visão, os sintomas iniciais são nessa região, e assim por diante", explica o neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças Dr. Cleverson de Macedo Gracia.   Em casos de crises epiléticas generalizadas, como ocorrem de forma súbita, não é possível fazer um socorro médico, pois elas são passageiras e duram poucos minutos. Quem está perto, explica o médico, deve evitar que a pessoa se machuque (o epilético pode bater a cabeça, braços e pernas) e virar o rosto para que ela não se afogue com o vômito, que também pode ocorrer durante as crises. "Quando uma crise vem seguida da outra significa que são casos mais complexos e que exigem internamento em Unidade de Terapia Intensiva", salienta o neurologista.   O tratamento da doença é feito com medicamentos, os chamados antiepiléticos, que devem ser seguidos com controle pelo paciente. Há também a possibilidade de fazer cirurgia para epilepsia, que é realizada com técnicas pouco invasivas, que diagnosticam exatamente o local do cérebro onde as crises são geradas e tratam a área afetada. "Mas ela é indicada apenas quando não se consegue fazer o controle por meio de medicamentos", afirma Dr. Cleverson.   Ao contrário do que se pensa, quem tem epilepsia, se tomar os remédios corretamente e seguir as orientações médicas, segundo o neurologista, pode levar uma vida completamente normal. Somente em alguns casos, atividades como dirigir são proibidas. "As restrições dependem da gravidade da doença. A maioria dos pacientes controlados não apresenta nenhuma limitação".
Autor: Daiane Strapasson
Fonte: Expressa


Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535