.
 

Cuidados da gestação para portadoras de epilepsia Aquiraz CE

O autor explica sobre a ingestão de medicações antiepiléticas durante a gestação. Conheça os riscos que determinado medicamento pode causar ao desenvolvimento do feto. Compreenda os detalhes.

Ercio Ferreira Gomes
3254-7814
R Antonio Augusto 1270
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Tatiana Nobre e Souza
3224-1569
R Joaquim Nabuco 2672
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Francisco Alberto Regio de Oliveira
R Coronel Linhares 950 - Sala 101
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Tricia Jereissati e Melo
3261-6474
R Monsenhor Bruno. 967
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Zuila Maria A Barreira Braga
3272-2102
Av Treze de Maio 366
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Sergio Ferreira Juacaba
3288-4468
R Papi Junior 1222
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Vander de Azevedo Teles
3283-3000
Av Bezerra de Menezes 1014
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Marcia Dallyane S C de Freitas
3257-9556
R Isac Amaral 190
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Zuleika Studart Sampaio
3221-3882
R Antonio Augusto 1271
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Vicente Pedro Filho
3224-4382
R Silva Paulet 947
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Cuidados da gestação para portadoras de epilepsia

Fornecido por: 



17/04/2009

Fármaco para epilepsia afeta o cérebro do feto

Filhos de mulheres que usaram medicação apresentaram menores índices nos testes de inteligência

Filhos de mulheres que usaram a droga conhecida como valproato (utilizada para combater a epilepsia) durante o período de gravidez apresentaram uma insuficiência no quociente de inteligência (QI) em comparação com filhos de mulheres que utilizaram outras medicações antiepiléticas.

Os filhos de mães epiléticas tratadas com o valproato apresentaram um coeficiente intelectual entre 6 e 9 pontos abaixo do verificado nos filhos de mulheres que receberam outros três tipos de medicamentos antiepiléticos. O estudo, chamado de “Cognitive Function at 3 Years of Age after Fetal Exposure to Antiepileptic Drugs”, desenvolvido em parceria entre cientistas ingleses e norte-americanos, foi publicado no New England Journal of Medicine.

O estudo foi realizado com mais de 300 filhos de mães epilépticas entre 1999 e 2004. Essas mães tomaram um dos quatro medicamentos mais prescritos contra a epilepsia: carbamazepina, lamotrigina, fenitoína e valproato. As análises foram realizadas em cinco centros médicos nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. O valproato apresentou os piores resultados e os seus malefícios foram associados com a dosagem.

A droga também é comumente prescrita para enxaquecas, transtorno bipolar, entre outros. Em um estudo prévio sobre os efeitos do valproato, os resultados revelaram que mulheres grávidas, submetidas a tratamento com o medicamento, podem aumentar significativamente o risco de a criança desenvolver autismo.

"O Valproato ainda tem um papel importante no tratamento da epilepsia, porque as crises de alguns pacientes só podem ser controladas com essa droga, mas recomendamos que as mulheres epilépticas tentem outro tratamento", disse o doutor Kimford Meador, professor de Neurologia da Faculdade de Medicina Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos. No Brasil, o medicamento também é vendido com nome de Depakine crono e Diplexil.   Referências

Dicionários On-line - Disponível em:
The New England Jounal of Medicine - Disponível em:

Associação de Apoio aos Dontes Depressivos e Bipolares - Disponível em: 
  Health New - Disponível em: 

Autor: Fábio P. de Brito - Equipe SIS.Saúde
Fonte: Vide Referências


Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535