.
 

Consultório de Otorrinolaringologia Ananindeua, Pará

Encontre consultório de otorrinolaringologia em Ananindeua. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Maria de Fatima Mesquita Jorge Joao
Trav.Ove de Janeiro 2110 - Sala 1601Ed. Wall Street
Belem, Pará
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Priscilla Leite Dias
(91) 3222-6145
R Ferreira Cantao 454 - Sala 01
Belem, Pará
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Fernando Antonio Martins
(91) 3236-4186
Av. Duque de Caxias 1540
Belem, Pará
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Anatomo Patologistas Associados S/A
R Ferreira Cantao 454 - S/2
Belem, Pará
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Clínica Intercol
(91) 3241-6170
r Diogo Moia, 319
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Manoel de Almeida Moreira
(91) 223-0692
Rua Antonio Barreto 380
Belem, Pará
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Diana Ecila Tavares Acatauassu Teixeira
913-2424
Tv Quatorze de Marco 1299
Belem, Pará
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Mario Fernando Ribeiro de Miranda
(91) 241-1048
Av Alm Wandenkolk 1243 - Sala 704
Belem, Pará
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Simone Granhen
(91) 3229-9652
r Pariquis, 3001 SL 1001
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Cárdio Diagnóstico
(91) 3242-7077
tv D Romualdo Coelho, 699
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Consultório de Otorrinolaringologia

Fornecido por: 

No verão fica impossível resistir a banhos de piscinas, finais de semana à beira do mar e mergulhos. Mas estas tentações podem acarretar no aumento de inflamações e infecções do ouvido, as chamadas otites externas - um tipo de infecção que atinge o canal externo do órgão auditivo. Por ser quente, úmida e escura, a região pode facilmente inflamar-se ou infectar-se com fungos e bactérias.

Segundo o Otorrinolaringologista Dr. Sady Selaimen da Costa, membro da Diretoria da ABORL-CCF (Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial) a doença é muito mais comum no verão, por causa da maior umidade do ar, do calor e dos hábitos assumidos pela população nesta estação. Essa infecção afeta não só adultos, mas também crianças e deve ser diferenciada da otite média aguda, que apresenta uma incidência muito maior nos meses de inverno e em crianças até os seis anos de idade.

Quando o ambiente está úmido e quente, o contato constante com a água (muitas vezes imprópria para o banho, como nas praias ou em piscinas mal tratadas) pode modificar o revestimento do canal auditivo externo, que ocasiona descamação e coceira. "Como reação imediata, muitas pessoas costumam coçar o ouvido, e utilizam os mais variados objetos como cotonetes, tampas de caneta, agulhas de tricô, etc., o que pode causar sérios traumas no revestimento interno do ouvido. Estas micro-rupturas na pele servem como legítimas portas de entrada a microrganismos que podem causar infecções locais ou generalizadas", alerta o otorrinolaringologista.

Segundo Sady, é preciso tomar muito cuidado com alguns tratamentos ou métodos caseiros, como utilizar álcool ou vinagre na região infectada. Para as pessoas que adotam estas medidas, ele faz um alerta: "Nunca pingue nada no ouvido sem orientação médica". Segundo o médico, esses tratamentos causam desidratação da pele, predispondo a infecção. "Essa tentativa de tratamento é desastrada e inoportuna", adverte.

Sady diz também ser contra o uso de tampões no ouvido, muito utilizado por nadadores e atletas que fazem travessias em alto mar para evitar a entrada de água. "A falta de circulação de ar pode provocar infecção, Esses tampões são ferramentas muito úteis na prevenção de certas doenças do ouvido, mas devem ter indicaç...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535