.
 

Consultório de Oftalmologia Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Encontre consultório de oftalmologia em Campo Grande. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Lucia Maia Peron
(67) 3325-4041
R Rua da Paz 561 - Sala 04
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Clínica Alvorecer
(67) 3326-1461
r Goiás, 1210 Vila Paraíso
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Medico Jorge Abri
(67) 3321-8921
r Antônio Maria Coelho, 2912 Vila da Saúde
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Angiomed Serviços Médicos e Laboratoriais Ltda
(79) 3211-3134
r João Calanzas,Ver, 93, Centro
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Centro Urologico Urovida
(67) 8126-8565
r Abrão Júliorahe, 1440 Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Mais Campo Grande Ms
(67) 3322-2100
Pedro Celestino 2670
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
CFIPS
(67) 3321-6760
r Bahia, 812 Jardim dos Estados
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Médico
(67) 3321-2988
r 15 de Novembro, 1017 Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Clínico Saúde Integrada
(67) 3321-2600
r 26 Agosto, 2070 Amambaí
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Ana Paula Lanza Paes-Pediatra Neonatologista
(67) 3327-0129
r Mar Antilhas, 19 Chácara Cachoeira
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Consultório de Oftalmologia

Fornecido por: 

Novo dispositivo evita contaminação, desperdício e absorção de colírio pelo organismo que comprometem 67% dos tratamentos, conforme pesquisa

Usar colírio não é tarefa fácil. A prova disso é uma pesquisa realizada com 2,7 mil pacientes durante três anos pelo oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto. O estudo mostra que o mau uso de colírios comprometeu o tratamento de 67% dos pacientes, ou seja, 1809 pessoas. Neste grupo, os principais erros na instilação foram:

· Desperdício por 58% dos pacientes que fizeram a aplicação de mais de uma gota ou fora do olho.

· Contaminação por 72% dos pacientes, decorrente do contato do bico dosador com o dedo ou superfície ocular.

· Absorção da medicação pelo organismo de 1483 pacientes, ou seja, 82% que não fizeram a oclusão do canto interno do olho, permitindo a penetração na corrente sanguínea.

Por conta dos resultados desta pesquisa, acaba de ser criado o Dapcol, dispositivo que tem como proposta facilitar o uso de colírio.

De acordo com Queiroz Neto trabalhos de metanálise evidenciam que a simplificação do tratamento de glaucoma pode aumentar a adesão dos pacientes. Ele explica que o glaucoma é uma doença crônica que pode ser tratada, mas não curada, e atinge 900 mil brasileiros. É provocada por outras doenças que dificultam o escoamento do humor aquoso. Isso faz a pressão intra-ocular aumentar, levando à compressão do nervo óptico que pode causar a morte de suas células e provocar cegueira definitiva quando os colírios não são usados continuamente.

GLAUCOMA: MAIS DA METADE INTERROMPE O TRATAMENTO

O especialista diz que a baixa adesão ao tratamento ainda é a maior causa de cegueira ocasionada pela doença. Só 33% fazem o tratamento correto e mais de 50% dos pacientes com diagnóstico inicial de glaucoma não usam o segundo frasco de colírio, apesar do Ministério da Saúde já ter incluído vários medicamentos antiglaucomatosos na lista que é distribuída gratuitamente à população. Isso acontece, observa, porque é uma doença de idosos que em muitos casos têm as mãos trêmulas e não podem contar com familiares para ajudar na instilação. Significa que é necessário oferecer autonomia ao doente para aumentar a aderência ao tratamento. Por isso, a expectativa do médico é que o novo dispositivo aumente a fidelização e preserve a visão dos portadores.. Queiroz Neto ress...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535