.
 

Conheça os estímulos do "hormônio da fome" Aquiraz CE

Estudiosos constataram que a grelina, apelidada de "hornônio da fome", é responsável por estimular as pessoas a comerem mesmo depois de satisfeitas. Entenda como acontece o desequilíbrio desse hormônio. Confira os detalhes da pesquisa.

Gol de Placa
(133) 271-1266
r Dumont, 170, Estuario
Santos, São Paulo
 
Centro de Treinamento de Futebol Dom Bosco
(44) 226-6116
r SN
Maringá, Paraná
 
Jaf Sports Lanchonete Ltda
(113) 974-8868
av Paula Ferreira, 3262, Pirituba
São Paulo, São Paulo
 
Instituto de Yoga Maha Vishnu
(213) 392-8204
r Araguaia, 560, Cs 102, Freguesia
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
 
Poli Esporte
(14) 232-4244
R Batista de Carvalho, 170, Vl Bonfim
Bauru, São Paulo
 
José e Perpétuo
(313) 383-6468
RO Peixoto, 249
Belo Horizonte, Minas Gerais
 
Quadras do Vilarinho
(313) 451-5009
r Cascalheira, 138, Venda Nova
Belo Horizonte, Minas Gerais
 
Orange Ball Sports Ltda
(51) 470-1176
r Rio Branco, 902, Vila Ponta Porã
Cachoeirinha, Rio Grande do Sul
 
Bloco Nana Banana
(86) 233-6679
av Humberto Castelo Branco, 890, sl 3
Teresina, Piauí
 
Kramale Com de Calçados Confecções e Art Esportivos Ltda
(41) 356-2057
av Nossa Senhora da Luz, 43, lj 17, Bacacheri
Curitiba, Paraná
 

Conheça os estímulos do "hormônio da fome"

Fornecido por: 



07/01/2010

Pesquisadores acham pistas sobre o que faz as pessoas comerem mesmo depois de satisfeitas

A nova pesquisa é do Centro Médico da Universidade do Texas

A premissa que a fome nos faz procurar por comida mais avidamente é lugar comum. Basta perguntar a qualquer pessoa que esteja com o estômago vazio em pé ao lado de um balcão de padaria esperando seu pedido ser atendido.

Pesquisas anteriores indicavam que o chamado “hormônio da fome”, a grelina, produzido quando o corpo está faminto, é o gatilho para esse comportamento. Entretanto, uma nova pesquisa com modelos animais do Centro Médico da Universidade do Texas sugere que a grelina também pode agir no cérebro de algumas pessoas fazendo com que o prazer de comer continue, mesmo que o estômago esteja cheio.

“Conseguimos demonstrar que pode haver algumas situações onde somos impulsionados a procurar e comer uma grande quantidade de comida”, diz Jeffrey Zigman, co-autor do estudo publicado no periódico Biological Psychiatry.

Pesquisadores já haviam associado o aumento dos níveis de grelina à intensificação do sentimento de prazer, em níveis similares aos sentidos por dependentes de cocaína e álcool. Zigman e sua equipe especulam que a grelina também pode intensificar determinados aspectos da sensação recompensadora da alimentação. Esse “sentimento recompensador”, explica o pesquisador, pode ser definido como algo que nos faz sentir bem após determinadas ações (entre elas, comer).

“É um sentimento ligado ao prazer sensorial e que nos motiva a continuar querendo cada vez mais algo, seja um objeto, um filme ou um alimento”, diz Zigman. “Esse tipo de sentimento nos ajuda a reorganizar nossas memórias, para que lembremos como repetir uma ação, por exemplo.”

Mario Perello, principal autor do estudo, diz que a ideia era determinar porque algumas pessoas que estão satisfeitas após um longo almoço continuam comendo ou desejando uma sobremesa altamente calórica.

Desequilíbrio do hormônio leva a escolhas mais calóricas

Para esse estudo específico os pesquisadores conduziram dois testes, com ratos. Humanos e ratos compartilham uma série de conexões neurais e hormônios, assim como as arquiteturas cerebrais dos “centros de prazer” de ambos também são bastante similares, explicam os pesquisadores.

No primeiro teste eles avaliaram porque ratos que já haviam comido o suficiente preferiam entrar em um segundo ambiente com alimentos altamente calóricos ao invés de optarem por um outro ambiente com uma ração normal. Eles descobriram que os ratos, nos...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535