.
 

Aprenda psicologia da motivação infantil Barbalha CE

Entenda quais são as metodologias educacionais eficientes para motivar a disciplina da criança. O autor descreve os riscos de promover a obediência condicional. A tática do reforço positivo ensina as crianças que elas são amadas apenas quando elas fazem o que nós decidimos que é um bom trabalho", alerta o autor.

Audisia Maria Paiva Teixeira
(88) 3511-5748
r S José, 622, Centro
Juazeiro do Norte, Ceará

Dados Divulgados por
Regina Cely Soares Feitosa
(88) 3511-0552
r Pe Cícero, 1029, Salesiano
Juazeiro do Norte, Ceará

Dados Divulgados por
Integrar - Centro da Consciencia e Desenvolvimento Humano S/s Ltda
(85) 3267-7533
r Osvaldo Cruz, 1, Sl 1305, Meireles
Fortaleza, Ceará

Dados Divulgados por
Psicologia Universo de apoio a pessoa
(88) 3511-2462
rua pe cícero, 1009
juazeiro do norte, Ceará
 
Psicologia Comportamental
(85) 3238-1859
Rua São Paulo, 1831, entre o Centro e Jacarecanga
Fortaleza, Ceará
 
Feitosa, Regina C S
(88) 3511-0552
r Conceição, 536 SL312
Juazeiro do Norte, Ceará

Dados Divulgados por
Opte Pesquisas e Consultoria Ltda
(85) 3224-5109
r Silva Paulet, 769, Sl 112, Meireles
Fortaleza, Ceará

Dados Divulgados por
Psico-fisio
08596967769
av. dos expedicionário, 4915
fortaleza, Ceará
 
Audisia Maria Paiva Teixeira
(88) 3511-5748
r S José, 622, Centro
Juazeiro do Norte, Ceará

Dados Divulgados por
Psicologia
08596627065
R. Osvaldo Cruz, 3041
Fortaleza, Ceará
 
Dados Divulgados por

Aprenda psicologia da motivação infantil

Fornecido por: 



29/09/2009

Amor condicional traz obediência, mas tem um custo

O autor da reportagem, Alfie Kohn, escreveu 11 livros sobre comportamento humano e educação

Há mais de 50 anos, o psicólogo Carl Rogers sugeriu que simplesmente amar seus filhos não era suficiente. Temos de amá-los incondicionalmente, dizia ele - pelo que eles são, não pelo que eles fazem. Como pai, sei que essa é uma tarefa difícil, mas ela se torna ainda mais desafiadora agora que grande parte dos conselhos que recebemos corresponde exatamente ao contrário. De fato, recebemos dicas sobre a criação condicional, que vem em dois formatos: ativar a afeição quando as crianças são boas, retirar a afeição quando elas não são.

Assim o apresentador de talk show Phil McGraw nos conta, em seu livro "Family First" (Free Press, 2004), que as coisas de que as crianças precisam ou gostam devem ser oferecidas de forma contingencial, transformadas em recompensas a serem dadas ou retiradas, para que elas "se comportem de acordo com sua vontade". Ele acrescenta que "uma das moedas mais valorizadas por uma criança é a aceitação e a aprovação dos pais".

De forma semelhante, Jo Frost, do seriado "Supernanny", em seu livro homônimo (Hyperion, 2005), afirma: "As melhores recompensas são atenção, elogios e amor", e isso deve ser "retirado quando a criança se comporta mal, até que ela peça desculpas" - nesse momento, o amor é novamente ativado.

A criação condicional não se limita a pessoas autoritárias e quadradas. Algumas pessoas que gostam da ideia de espancar seus filhos escolhem disciplinar suas crianças isolando-as forçadamente, uma tática que preferimos chamar de "pausa". De modo oposto, "o reforço positivo" ensina as crianças que elas são amadas, e amáveis, apenas quando elas fazem o que nós decidimos que é "um bom trabalho".

Isso levanta a intrigante possibilidade de que o problema com os elogios não é que eles sejam feitos da forma errada - ou feitos muito facilmente, como insistem os conservadores sociais. Em vez disso, pode ser apenas mais um método de controle, análogo à punição. A principal mensagem de todos os tipos de criação condicional é que as crianças devem aprender a ganhar o amor dos pais. Uma regime contínuo desse, alertou Rogers, e as crianças podem acabar precisando de um terapeuta para oferecer a aceitação incondicional que eles não receberam.

Mas será que Rogers estava certo? Seria bom ter algumas evidências. Agora...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535