.
 

Analisando o efeito placebo Corumbá, Mato Grosso do Sul

Conheça os resultados de um estudo sobre o uso do placebo no tratamento da psoríase. Compreenda os efeitos da psiconeuroimunologia. "O efeito placebo, obviamente, não pode ajudar os pacientes inconscientes, ou substituir as substâncias que o próprio organismo é incapaz de produzir", diz o coordenador da pesquisa Robert Ader.

Arruda, Ângelo M V
(67) 3383-2307
r Eduardo Santos Pereira, 1659 s 5, Jardim dos Estados
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Psicólogo Fabricio Siqueira Basso
(67) 3325-8197
Rua Sebastião Lima, 454
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Clínica de Psicologia Merege
(67) 3384-3907
r 25 de Dezembro, 476 s 4, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Clínica de Psicologia Andrea Lacet, Dra
(67) 3321-8077
r Rio Grande Sul, 1530, Jardim dos Estados
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Clínica de Psicologia Mendes
(67) 9249-3434
r Eduardo Santos Pereira, 295, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Psicanalista
(67) 3324-9063
R, Abrão J;ulio Rahe, 1483
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
CIDAPP-Centro Integrado de Desenvolvimento e Pesquisa em Psicologia
(67) 3324-9599
r Sebastião Lima, 1143, Jardim Monte Líbano
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Psicológico de Controle do Stress
(67) 3383-0199
av dos Estados, 112, Jardim dos Estados
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Consultório Particular
(67) 3341-1683
Rua Jeribá 325, sala 25 - Chácara Cahoeira
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Consultoria
(67) 3326-9872
Rua Manoel Inácio de Souza 1212
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Dados Divulgados por

Analisando o efeito placebo

Fornecido por: 



06/01/2010

Pesquisa redefine o placebo como parte efetiva do tratamento médico

O estudo foi estudo publicado no jornal médico Psychosomatic Medicine

Placebo como tratamento

Pesquisadores usaram o efeito placebo com sucesso para tratar pacientes com psoríase usando entre um quarto e a metade da dose habitual de um medicamento amplamente usado contra a doença, de acordo com um estudo publicado no jornal médico Psychosomatic Medicine.

Os primeiros resultados em pacientes humanos sugerem que a nova técnica poderá melhorar o tratamento de diversas doenças crônicas que envolvem o estado mental ou o sistema imunológico dos pacientes, incluindo a asma, a esclerose múltipla e a dor crônica.

Múltiplos benefícios

Ao desenvolver esquemas de tratamento que misturam medicações ativas e placebo, os pesquisadores da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, esperam maximizar os benefícios do remédio, reduzir os efeitos colaterais, aumentar o número de pacientes que toma seus remédios e estender o uso de drogas atualmente limitadas pelo risco de dependência ou toxicidade.

Usar uma fração da dose habitual dos esteroides para obter o mesmo efeito também pode tornar possível uma redução dramática e imediata dos custos do sistema de saúde, segundo os autores.

Psiconeuroimunologia

A publicação é um produto de décadas de pesquisa no campo emergente da psiconeuroimunologia, que sustenta que a capacidade do sistema imunológico humano para combater as doenças está intimamente ligada à mente da pessoa.

Pensamentos e estados de espírito são capturados por neurotransmissores que causam a liberação de hormônios que interagem com as células que combatem as doenças.

A equipe de pesquisadores escolheu a psoríase para os seus primeiros experimentos com seres humanos porque esta é uma doença crônica, ela piora quando os pacientes ficam estressados e envolve o sistema imunológico.

Placebo contra psoríase

A psoríase provoca dor e incapacidade em milhões de pessoas. Traços herdados e irritações fazem com que o sistema imunológico desencadeie a produção exagerada de células da pele, resultando em manchas vermelhas e escamosas de pele morta.

"Nosso estudo fornece evidências de que o efeito placebo pode tornar possível o tratamento da psoríase com uma quantidade de medicamento que seria pequena demais para funcionar," explica Robert Ader, coordenador da pesquisa.

Reações da mente

"Embora esses resultados sejam preliminares, acreditamos que a classe médica precisa reconhecer a rea&ccedi...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535