.
 

Analisando as implicações da dismenorréia Cuiabá, Mato Grosso

"A cólica menstrual pode fazer as mulheres perderem até 70% da sua capacidade produtiva nos dois primeiros dias da menstruação", destaca o autor. Conheça os resultados de um estudo sobre a dismenorréia. Confira também, os comentários do ginecologista Luiz Trevisan acerca desse assunto.

Aguiar Farina
Rua Barao de Melgaco 2754
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Sandra Maria Georgeto
(65) 3051-3583
Av das Flores 843 - Anexo Jardim Cuiaba
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Idemor Molim
(65) 3626-1696
Rua 24 de Outubro 950 - Sala 01
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Danilo Zanirato
(65) 3641-2022
Clínica Médica Ginecologia e Obstetrícia
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Marcelo Ramos Mendes
Rua Barao de Melgaco 2754 - Ed. Work Tower
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Eloisa Mara Domingues Albano da Silva
Rua Barao de Melgaco 2754
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Orlando Cerci Filho
(65) 3641-2022
Rua Pernambuco 241
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Simao Bargas da Costa
Rua 24 - de Outubro 950
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Dijalmas Ribeiro de Castro
(65) 3624-4165
R General Valle 321 - Sala 404 Ed Marechal Rondon
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Jose Meirelles Filho
Av das Flores 843 - Bloco de Consultoriossl 31
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analisando as implicações da dismenorréia

Fornecido por: 



14/11/2008

Menstruação X Trabalho

Cólica menstrual pode reduzir em até 70% a capacidade produtiva

Estudo realizado por ginecologistas revelou que a cólica menstrual pode fazer as mulheres perderem até 70% da sua capacidade produtiva nos dois primeiros dias da menstruação. O trabalho concluiu que 33 milhões de brasileiras sofrem com o problema e que acaba refletindo na vida cotidiana, sendo que 30% precisam se afastar do trabalho por pequenos períodos ao longo do dia.

De acordo com o ginecologista Luiz Guilherme Trevisan Albuquerque, a cólica menstrual é a dor abdominal relacionada ao fluxo menstrual cíclico. O nome adequado é dismenorréia. Albuquerque destaca que as dores podem ser realmente intensas a ponto de fazer a mulher perder o dia de trabalho. "Estimam que aproximadamente 52% das mulheres, principalmente as adolescentes são afetadas e dentre estas, 10% acham-se incapacitadas ao trabalho por um a três dias", salienta o médico. O ginecologista observa que há dois tipos de cólicas: primária e secundária. "A dismenorréia é classificada como primária e secundária. A primária é aquela que não está associada a alguma doença orgânica. Já a secundária pode estar associada a algumas doenças como endometriose, doença inflamatória pélvica (corrimento vaginal intenso), mioma uterino e outras alterações anatômicas uterinas", explica. O médico explica que é importante a mulher procurar saber a origem da doença. Sobre os tratamentos para as cólicas, Albuquerque salienta que, no caso da secundária, implica em tratar o fator desencadeante, como tratar a endometriose, os miomas e polipos endometriais e antibióticos nas doenças inflamatórias pélvicas, entre outros.

"Quanto ao tratamento da dismenorréia primária existem medicamentos para o tratamento da crise dolorosa, principalmente os antiflamatórios e muitas atitudes comportamentais. É necessário também o tratamento preventivo que pode ser feito desde a orientação alimentar, passando por medicamentos e até cirúrgico. Existe muita informação nova a este respeito", diz.

A fisioterapeuta Patrícia Helena Albano Pereira Rocha, afirma que sofreu por vários anos com a chamada popularmente cólica menstrual. "Eram dores intensas que me faziam ficar de cama, e o primeiro dia era o pior. Cheguei até a perder dias de trabalho. A dor nos deixa indisposta e nosso rendimento no trabalho diminui bastante", salienta. Patrícia diz que encontrou a solução para seu problema na acupuntura. Há menos de u...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535