.
 

Analisando as implicações da dismenorréia Abreu e Lima, Pernambuco

"A cólica menstrual pode fazer as mulheres perderem até 70% da sua capacidade produtiva nos dois primeiros dias da menstruação", destaca o autor. Conheça os resultados de um estudo sobre a dismenorréia. Confira também, os comentários do ginecologista Luiz Trevisan acerca desse assunto.

Maria da Conceicao Fonseca Ferrari
Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcanti 1887
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Flavio Jose Beltrao de Miranda e Souza
Estado de Israel 61
Recife, Pernambuco
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Eduardo Jose Campos Leite
Engenheiro Domingos Ferreira 636 - Sl. 317
Recife, Pernambuco
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Gracivaldo Goncalves dos Santos
813-4270
Av Rui Barbosa 1363 - Sala 209
Recife, Pernambuco
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Rita de Cassia Bevilacqua Del Lago
813-3260
Av Conselheiro Aguiar 5025 - Sl 119
Recife, Pernambuco
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Jesse Marques da Cunha
228-2269
Av Visc Albuquerque 681 - Madalena Recife
Recife, Pernambuco
Especialidade
Mastologia

Dados Divulgados por
Silvana Maria Figueiredo Cavalcanti
R Jornalista Paulo Bittencourt 174
Recife, Pernambuco
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Maria Selma Matias
(81) 3423-5211
R do Sossego 330
Recife, Pernambuco
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Rui de Deus de Melo Junior
813-2226
R Conselheiro Portela 286
Recife, Pernambuco
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Ruy de Deus e Mello Junior
Rua Dom Sebastiao Leme 120
Recife, Pernambuco
Especialidade
Ginecologia e Obstetrícia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analisando as implicações da dismenorréia

Fornecido por: 



14/11/2008

Menstruação X Trabalho

Cólica menstrual pode reduzir em até 70% a capacidade produtiva

Estudo realizado por ginecologistas revelou que a cólica menstrual pode fazer as mulheres perderem até 70% da sua capacidade produtiva nos dois primeiros dias da menstruação. O trabalho concluiu que 33 milhões de brasileiras sofrem com o problema e que acaba refletindo na vida cotidiana, sendo que 30% precisam se afastar do trabalho por pequenos períodos ao longo do dia.

De acordo com o ginecologista Luiz Guilherme Trevisan Albuquerque, a cólica menstrual é a dor abdominal relacionada ao fluxo menstrual cíclico. O nome adequado é dismenorréia. Albuquerque destaca que as dores podem ser realmente intensas a ponto de fazer a mulher perder o dia de trabalho. "Estimam que aproximadamente 52% das mulheres, principalmente as adolescentes são afetadas e dentre estas, 10% acham-se incapacitadas ao trabalho por um a três dias", salienta o médico. O ginecologista observa que há dois tipos de cólicas: primária e secundária. "A dismenorréia é classificada como primária e secundária. A primária é aquela que não está associada a alguma doença orgânica. Já a secundária pode estar associada a algumas doenças como endometriose, doença inflamatória pélvica (corrimento vaginal intenso), mioma uterino e outras alterações anatômicas uterinas", explica. O médico explica que é importante a mulher procurar saber a origem da doença. Sobre os tratamentos para as cólicas, Albuquerque salienta que, no caso da secundária, implica em tratar o fator desencadeante, como tratar a endometriose, os miomas e polipos endometriais e antibióticos nas doenças inflamatórias pélvicas, entre outros.

"Quanto ao tratamento da dismenorréia primária existem medicamentos para o tratamento da crise dolorosa, principalmente os antiflamatórios e muitas atitudes comportamentais. É necessário também o tratamento preventivo que pode ser feito desde a orientação alimentar, passando por medicamentos e até cirúrgico. Existe muita informação nova a este respeito", diz.

A fisioterapeuta Patrícia Helena Albano Pereira Rocha, afirma que sofreu por vários anos com a chamada popularmente cólica menstrual. "Eram dores intensas que me faziam ficar de cama, e o primeiro dia era o pior. Cheguei até a perder dias de trabalho. A dor nos deixa indisposta e nosso rendimento no trabalho diminui bastante", salienta. Patrícia diz que encontrou a solução para seu problema na acupuntura. Há menos de u...

Clique aqui para ler este artigo na SIS.Saúde

.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - Rua Cel. Corte Real, 75 - Bairro Petrópolis - 90630-080 Porto Alegre-RS
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 8575.3535